quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

QUANDO É PRECISO IR

Morro,
Sopro velas
...
Seco choros

Avisto o oco
Espaço
Entre as nuvens de algodão
E os sonhos escassos

O oxigênio do mundo
Acendeu luzes
Nos pulmões
E deu asas ao teu grito

Esfriou em mim as vontades
E clareou saudades

Já não ouço nada
Assim, tão longe



Maris Figueiredo

Nenhum comentário: