domingo, 15 de abril de 2012

GRÃOS DE AREIA

E um
Punhado de amor areado,
Lentamente despejava o tempo
Numa ampulheta...

Escoava da voz frágil
Um sentimento

Poeira no vento
Pó de tudo que se transforma...



MARIS FIGUEIREDO



Nenhum comentário: